Pilar do desenvolvimento

A montante de todas as transformações – económicas, sociais, tecnológicas, (…) – a educação em Portugal atravessa uma fase complexa, todavia fascinante em termos de futuro.

Nunca como agora se discutiram tanto as bases da escola que temos e da escola que queremos e podemos ter. Jamais se debateram tão profundamente questões como as novas formas de aprendizagem, o ensino à distância, a cooperação universidade-empresas.

A COVID-19 impulsionou o debate – e este é um crédito a ter em conta lá mais para diante, quando se fizer o verdadeiro balanço da pandemia em curso.

Aqui, nos Cadernos de Economia, convocámos alguns dos maiores pensadores/decisores portugueses no domínio da educação, os quais, neste número, definem novos conceitos, lançam alertas, propõem medidas – não raro iconoclastas, como o autor que defende ser necessário ver o futuro da educação como centrado na aprendizagem, em vez de centrado no ensino ou centrado nos estudantes.

Enfim, contrariando a resignação, com arrojo realista, olhemos longe. A educação é, de facto, o pilar do desenvolvimento. Mas não nos fiquemos pelo verbo.