Cadernos de Economia 133

7,50

Out/Dez 2020

REF: ce133 Categoria:

Descrição

Número 133 • Outubro/Dezembro 2020 • Trimestral • Ano XXXIV • 74 páginas • 205x290mm • ISSN 0874-4068

Não há volta a dar: 2020 foi um ano mau em todas as vertentes – sanitária, económica, financeira, social. E, como é salientado nas páginas seguintes, ele até tinha começado bem, com perspectivas de crescimento do PIB, crescimento do emprego, aumento dos salários reais. No fim do segundo mês deste ano, simbolicamente bissexto, um vírus surgido em 2019 – o novo SARS-CoV-2 – propagou-se fulminantemente, fazendo desmoronar o optimismo que então se vivia, o qual deu lugar ao pânico provocado por uma epidemia que rapidamente alastrou ao mundo inteiro. Como sublinhou o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, um pequeníssimo vírus fez o mundo ajoelhar-se. A pandemia que, espera-se, poderá ceder às vacinas entretanto descobertas, matou milhões de pessoas, destroçou a economia global, gerou milhões de desempregados, forçou o isolamento da maioria dos habitantes do planeta, provocou o desespero. Enfim, 2020 foi, realmente, um ano mau. Não há que dizer de outro modo. Para 2021 há motivos para a esperança – em resultado do notável trabalho da comunidade científica, que proporcionou, em tempo antes impensável, as vacinas libertadoras. Há, contudo, ainda um caminho espinhoso a percorrer. A confiança justifica-se, a imprevidência poderá ser perigosa.